Translate

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Juntos somos mais fortes!!!

Esses dias, estava conversando sobre como eu fazia para dar remédio para o Dudu. Falamos sobre como diluir, o melhor jeito ou o jeito "menos pior" de oferecer o medicamento. Tenho um tanto de experiência nisso, afinal, fizemos uso regular de medicação para refluxo por muito tempo. 

Então lembrei que a primeira vez que eu imaginei criar algo relacionado a laringomalácia foi justamente por causa desse manual sobre "como administrar o remédio para seu bebê" que eu queria fazer. Pensei em dividir a minha experiência, já que eu custei muito até acertar uma maneira efetiva (e menos estressante) de fazer isso aqui. 

No final, esse manual de como dar medicação para o seu bebê saiu meses depois... Mas saiu 😏😄

Foi isso que me motivou a pensar sobre o quanto era difícil não ter outras pessoas para conversar, para dividir as coisas e para perguntar o que funcionava pra elas. Que o método de "tentativa e acerto" era cansativo. E eu não encontrava um lugar onde pudesse ter informações sobre o que eu precisava saber, dicas de outras mães ou de mesmo profissionais da área.



Tudo começou quando uma mãe romena que estava com seu bebê a maior parte do tempo internado veio me pedir ajuda (em romeno!!!). Sim, é realmente difícil encontrar alguma coisa sobre laringomalácia - tanto que essa mãe foi parar na nossa página do Facebook.

Eu não fazia ideia em como socorrer alguém na Romênia (!!!) E não encontrei grande apoio em nenhum grupo que falava sobre laringomalácia nessa época. No fim, fui me virando e, com ajuda de um "amigo da amiga" que traduzia do romeno para o inglês, acompanhei a história deles. Hoje esse bebê está bem. Ele não tinha laringomalácia e sim hemangioma.
Eu acredito realmente que juntos somos mais fortes! Acredito que é com amor, apoio e conhecimento sobre a LM que venceremos essa batalha com nossos bebês.


Sobre o bebê romeno: eu ainda converso com a mãe dele via Google tradutor. Eu continuo acompanhando o crescimento dele (com meu romeno profissional hehehe) pelo Facebook. Eles estão muito bem!





Nota de esclarecimento
 19/06/2019 

Uma das únicas páginas em que encontrei alguma coisa bacana sobre LM, um mês depois de grupo e blog já existirem, foi no site de uma ONG nos EUA. Cheguei a entrar em contato com a eles algumas vezes. O conteúdo deles foi uma inspiração para mim no início (sempre com os devidos créditos).

Por algum motivo que até hoje não sei qual foi, depois de um ano, eles acharam que eu não deveria mais fazer parte do grupo de apoio aos pais (!!!). Mesmo que eu o fizesse com carinho, respeito e imparcialidade. Mesmo que eu tenha um filho com LM. Mesmo que eu nunca tenha mencionado sobre o nosso trabalho no grupo (apenas para a fundadora, por e-mail, em particular). Mesmo que lá eu fosse apenas mais uma mãe.

Não permito propagandas de outras iniciativas sem autorização por aqui. Participo, inclusive, de vários outros grupos sobre laringomalácia e cia. E jamais tive esse tipo de atitude em nenhum deles. Não entro em grupos de outros lugares para divulgar um trabalho realizado no Brasil (e nem seria muito útil).  

Respeito a opinião e a decisão. Mas, no meu humilde ponto de vista, não é a melhor forma  de "dar suporte as pessoas mundialmente". A ideia é ajudar o maior número de pessoas, independente de onde elas estão. E você não faz isso segregando as pessoas/organizações que trabalham no mesmo (escasso) tema. 

Por esse motivo, continuarei dando os créditos a fonte do que fizer alguma referência a eles. Mas estou removendo o logo que fazia propaganda da ONG nesse post. E, sim, eu pedi (e tive) autorização pra isso. Também não vou mais indicá-los como "site que recomendamos". Há 04 meses mandei mensagens via e-mail e Facebook questionando o que houve para que eu fosse banida do grupo. Não recebi nenhum retorno.

Quero deixar registrado que esse tipo de atitude vai contra tudo o que acredito que cuidar e se preocupar com o bem estar das pessoas significa. Eu não faria isso com nenhuma pessoa sem dar satisfação. Questão de educação, eu acho. E muito menos com uma mãe que, assim como eu, sabe de todas as dificuldades que enfrentamos e ainda se preocupa em ajudar outras mães. Nunca infringi nenhuma regra do grupo. Quem me conhece sabe que sou "obsessiva" com regras quando se trata de crianças. Não sou esse tipo de pessoa. 

Arquivei o texto original desse post, onde elogiava e divulgava essa organização. Pretendo restaurá-lo se um dia as coisas forem esclarecidas. Continuarei recomendando o site a quem precise dele. O bem estar das pessoas, pra mim,  estará sempre acima de qualquer coisa. 

Obrigada 💜💛💙

Um comentário:

Compartilhe conosco suas idéias, experiências e o que mais tiver vontade =)